Tenho sentido muitas saudades das viagens que fiz. Não saberia, nunca, explicar a sensação feliz que me dá rever fotos, vídeos e conversar com os que lá conheci. Escrevi alguns textos tentando juntar momentos, conversas, sensações sentidas e vividas nos tantos lugares pelos quais passei. Há acréscimos, eu preciso mencionar. É ficção, portanto. Mas, os textos deste blog são completamente carregados de nostalgia... esperança... e vida! Vida, que é o estado em que quero estar permanentemente!
Boa leitura!!!

sábado

Viçosa, Ceará, 14 de Novembro de 2010

É hora de improvisar. Na noite anterior, roubaram a cachaça Sagatiba, da Luciana, e o jeito foi inventar uma maneira de burlar a segurança do evento:


Abaixo, visita que fizemos à Casa dos Licores:


Deixou degustar, já era:


Depois de licores dos mais variados, vamos à praça da Igreja Matriz pra curtir o Cortejo da Bateria Tom Maior:

Acima, a galera que encarou comigo esses dois dias de Samba e Chopp! \o/

O vídeo do Cortejo com a Bateria Tom Maior:
http://www.youtube.com/watch?v=pjTS_1w_0uM


O cortejo findou com muito samba no pé, nas escadarias da Igreja do Céu, com o Samba de Repente.


A última noite do festival terminou em grande estilo:

Carlinhos Palhano e grupo Samba de Mesa


Grovytown gravando seu primeiro CD

Grovytown


Jair Rodrigues

Jair Rodrigues

Jair Rodrigues

Jair Rodrigues

Jair Rodrigues

Viçosa, Ceará, 13 de Novembro de 2010

1º Festival de Samba e Chopp de Viçosa do Ceará

Centro histórico da cidade


As mais de 300 escadas rumo à Igreja do Céu


Vista depois de subir as bilhares de escadas...


Acima, o Cristo Redentor de Viçosa... me senti a própria carioca! hauhauha...


Acho que é por isso que Viçosa estava tão quente... divisa com Piauí! =p


Um dos pontos turísticos de Viçosa...




Acima, diggar Arne segurando a cajuína Marx!


É sempre muito bom encontrar amigos por onde passamos...


Acima, nosso lar: casa do Abel.


A Igreja do Céu fica um espetáculo à noite

Eis que começa o primeiro festival de Samba de Viçosa:

Grupo Esquina Brasil e Rubens Gouveia


Samba de Boteco


Samba de Boteco e Bateria Tom Maior


Demônios da Garoa

quinta-feira

Outros lugares, Pernambuco, Abril de 2010, parte 3

Um passeio de ônibus pelo Recife...

Acima, a pergunta; abaixo, a resposta.


E um caminho mais feliz pra Porto de Galinhas:


Abaixo, Praia de Boa Viagem e seus tubarões...


Fim da viagem... pôr-do-sol inesquecível e uma saudade que me fez compor um poemeto pra cidade:


Recife merecia um poema melhor

Subi e desci as ladeiras de Olinda
E os arrecifes em Porto
Queria, mesmo que pouco,
Vê-la, de novo, Recife, tão linda!

O sol é forte e repentina
Vem a chuva, sem preverdes
Na manguetown, a fedentina
Exibindo os siris verdes

Ao mesmo tempo em que vejo o marco
O barco e as esculturas escuras
O céu cinza, nublado
Passos que teimam em ficar, sem escusas

Rassif,
Poetas raros, circulantes:
Cabral, Bandeira, nosso Chico
Por entre ruas escondidos
Do centro, eu vi versos vibrantes

De Noca, ficasse a dica
Seis pra cinco é exagero
Sobra carne, sobre queijo,
O coro come, canta Rita

Deixo, enfim, esta viagem:
Caxangá, CDU, Boa Viagem
Camping, CAC, cultural
Que não fique aí ponto final.

Bel Muniz